NOTÍCIA

Fome e obesidade aumentam na América Latina pelo terceiro ano

Fome e obesidade aumentam na América Latina pelo terceiro ano


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

“Pelo terceiro ano consecutivo há más notícias” para a América Latina e o Caribe, onde os índices de fome aumentaram e “afeta 39,3 milhões de pessoas”, 6,1 por cento de sua população, resumiu com pesar nesta quarta-feira 7 Julio Berdegué, Representante Regional da FAO.

Berdegué apresentou na sede regional da entidade em Santiago as conclusões do Panorama de Segurança Alimentar e Nutricional 2018, que traz mais más notícias: a desnutrição e a obesidade também cresceram, numa situação intimamente ligada à persistência da desigualdade nos países da região.

O documento foi elaborado em conjunto pela divisão regional de quatro agências da ONU: FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA).

As quatro organizações apelaram aos governos da região para que implementem políticas públicas que combatam a desigualdade e promovam sistemas alimentares saudáveis ​​e sustentáveis.

“Não há nenhuma razão material ou científica que justifique a fome. Completamos cinco anos sem progresso e três em recuo. Fazemos um alerta aos governos e sociedades ”, destacou Berdegué durante a apresentação.

O representante regional destacou o caso da Colômbia onde “a paz começa a pagar dividendos na erradicação da fome”, referindo-se aos efeitos positivos dos acordos alcançados entre o governo e a guerrilha em 2016.

No outro extremo está a Venezuela, que se tornou um dos países com maior número de pessoas que passam fome: 3,7 milhões de pessoas, que são 11,7% de sua população.

Desde 2014, Argentina, Bolívia e Venezuela aumentaram o número de pessoas subnutridas. A maior rapidez ocorreu na Venezuela com um aumento de 600.000 pessoas, apenas entre os triênios 2014-2016 e 2015-2017, revela o Panorama.

Outros países muito afetados pela fome são o Haiti, com cinco milhões de habitantes, o equivalente a 45,7% de sua população, e o México, com 4,8 milhões, representando 3,8% de sua população.

No entanto, tanto no Haiti quanto no México, a fome diminuiu nos últimos três anos. O mesmo na Colômbia e na República Dominicana. Esses são os únicos quatro países da região que alcançaram uma redução desde 2014.

“Se o Haiti pode fazer isso (reduzir a fome), todos os outros países podem”, disse Berdegué enfaticamente.

Segundo o Panorama, a velocidade da fome na região aumentou porque entre 2015 e 2016 o número de desnutridos cresceu 200 mil, mas entre 2016 e 2017 dobrou: 400 mil pessoas.

Para Berdegué, os números são dramáticos porque “não se trata de estar mais perto da meta da fome zero (até 2030). O objectivo não são uns quantos com menos fome ”, sublinhou que se trata de uma região produtora e exportadora de alimentos, onde“ não faltam alimentos, falta dinheiro para os comprar ”.

Acrescentou que a grave insegurança alimentar atinge 47,1 milhões de latino-americanos e caribenhos e “o pior é que a maioria vive na América do Sul, a parte mais rica da região. Como é possível que 62% do problema da fome esteja na América do Sul ?, ele se perguntou.

O documento estabelece uma relação estreita entre a desigualdade econômica e social e os níveis mais elevados de fome, obesidade e desnutrição nas populações.

Cinco milhões de crianças passam fome “e o problema grave é que pertencem aos quintis mais pobres e vivem uma sentença de vida muito limitada”, disse Berdegué.

Ele especificou que as quatro agências da ONU (Organização das Nações Unidas) estabeleceram uma correlação entre a fome e o pertencimento a alguns grupos étnicos.

“No Peru, 25% das crianças quíchuas e 23% das crianças aimarás sofrem de desnutrição crônica, enquanto em nível nacional é de 16%”, exemplificou.

Ao mesmo tempo, a cada ano ocorrem 3,6 milhões de pessoas obesas e hoje um em cada quatro adultos na região é obeso. Cerca de 250 milhões vivem acima do peso, 60% da população regional.

O excesso de peso afeta 3,9 milhões de crianças com menos de cinco anos, um número que excede a média mundial de 5,6 por cento, indica o relatório.

“É uma epidemia descontrolada e fora de controle. Nunca comemos tão mal. É preciso mudar o eixo para uma alimentação saudável e nutritiva ”, sublinhou Berdegué.

Ele acrescentou que 18 países da região produzem frutas e verduras, mas exportam.

“É fundamental regular as gorduras e os sais dos alimentos. Há muitas pessoas que não têm dinheiro para uma alimentação saudável. Os currículos escolares devem incluir alimentação saudável e saudável ”, elencou Berdegué ao propor as possíveis soluções para o enfrentamento da epidemia.

Carissa F. Etienne, Diretora da OPAS, afirmou que "embora a desnutrição persista na região, particularmente em populações vulneráveis, a obesidade e o excesso de peso também se somam, afetando esses grupos de maneira particular".

“É necessária uma abordagem multissetorial, que vai desde garantir o acesso a uma alimentação equilibrada e saudável até abordar outros fatores sociais que também impactam nessas formas de desnutrição, como o acesso à educação, água e saneamento e serviços de saúde”, indicou em uma conexão de sua sede em Washington.

Em sua opinião, “é preciso avançar no acesso à saúde universal para que todas as pessoas recebam os cuidados e as medidas de prevenção de que precisam devido aos problemas da desnutrição e suas consequências a longo prazo”.

O Panorama resume que a fome, a desnutrição, a deficiência de micronutrientes, o sobrepeso e a obesidade afetam principalmente as pessoas de baixa renda, mulheres, indígenas, afrodescendentes e famílias rurais da região.

Na América Latina, 8,4% das mulheres sofrem de insegurança alimentar grave, em comparação com 6,9% dos homens, e as populações indígenas sofrem mais com a insegurança alimentar do que as populações não indígenas.

Em 10 de seus países, 20% das crianças mais pobres sofrem três vezes mais de desnutrição crônica do que os 20% mais ricos.

De acordo com o Panorama, uma das principais causas do aumento da desnutrição em grupos populacionais particularmente vulneráveis ​​são as mudanças que sofreram os sistemas alimentares da região e o ciclo alimentar da produção ao consumo.

Os maiores efeitos são produzidos nos setores mais excluídos que, embora tenham aumentado o consumo de alimentos saudáveis ​​como leite e carne, muitas vezes devem optar por produtos com alto teor de gordura, açúcar e sal, por serem de menor custo.

Em relação à divisão por gênero, o Panorama indica que 19 milhões de mulheres sofrem de insegurança alimentar grave, contra 15 milhões de homens.

Em todos os países, a taxa de obesidade das mulheres adultas é maior do que a dos homens; em 19 deles, a taxa de obesidade feminina é pelo menos 10 pontos percentuais maior que a masculina.

“A igualdade de gênero é um instrumento político valioso para reduzir as desigualdades. Precisamos fortalecê-lo na prática, o que envolve a promoção da igualdade no acesso e controle dos recursos domésticos, bem como nas decisões para empoderar as mulheres na desigualdade ”, disse Miguel Barreto, diretor regional do PMA, da Cidade do Panamá. .

Por Orlando Milesi

Edição: Estrella Gutiérrez


Vídeo: Obesidade. Drauzio Comenta #95 (Julho 2022).


Comentários:

  1. Macdaibhidh

    Essa idéia brilhante, a propósito, está caindo

  2. Marwin

    Acho que você não está certo. Eu posso provar. Escreva em PM, falaremos.

  3. Armstrong

    Que pergunta interessante

  4. Abukcheech

    Autor, escreva com mais frequência - eles leem você!

  5. Vill

    Concordo, esta excelente ideia está certa sobre

  6. Vudole

    Você não está certo. Eu posso defender minha posição. Escreva para mim em PM.



Escreve uma mensagem