TEMAS

Líquenes como bioindicadores e bioacumuladores

Líquenes como bioindicadores e bioacumuladores


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O uso delíquenes como bioindicadores e bioacumuladoresmonitorar a qualidade do ar e a presença de poluentes na atmosfera.

Bioindicadores e biomonitoramento

A bioindicadores ambientaispermitir o monitoramento da poluição por meio de parâmetros biológicos. Graças ao chamadobiomonitoramentoé possível ter uma ideia precisa da presença de contaminantes no meio ambiente (água, ar, solo ...). As variações ecológicas a serem observadas com obiomonitoramentopreocupação:

  • modificações morfo-estruturais
  • acumulação de poluentes
  • variação da composição faunística e / ou florística de um ambiente

Abioindicadoreseles refletem a tendência da qualidade ambiental em períodos mais longos ou mais curtos, exceto em casos particularmente notáveis ​​(boom de algas, mortes em massa ...). Entrebioindicadoresque pode refletir oqualidade do arquadrado eulíquenes.

Líquenes: bioindicadores e bioacumuladores

Já em 1800 havia uma certa correlação entrepoluição do arélíquenes mas os primeiros documentos científicos datam da segunda metade dos anos noventa. Hoje existem mapas doqualidade do arobtido com obiomonitoramento de líquenes.

Quando se trata delíquenesrefere-se a um grande número de espécies. As várias espécies delíqueneseles têm tolerâncias diferentes para diferentes tipos de poluentes. Isso nos permite, com base emescalas de tolerânciaestimar o grau de poluição das espécies de líquen encontradas em um determinado local.

Alíqueneseles não são apenas ótimosbioindicadores de qualidade do armas também podem ser usados ​​como bioacumuladores, neste caso são analisadas as concentrações de certas substâncias depositadas nos talos do líquen, correlacionando-as às taxas médias de deposição.

Líquenes como bioindicadores

A metodologia mais usada hoje para o uso delíquenes como bioindicadoresé o proposto pela Agência Nacional de Proteção ao Meio Ambiente (ANPA). Desta forma, é possível usar padronizações nobiomonitoramentoque se concentra emlíquenes epifíticos, isto é, nas espécies de líquenes que se desenvolvem na casca das árvores (líquenes epifíticos).

Ometabolismo de líquendepende essencialmente da atmosfera, eulíquenes epifíticoseles têm:

  • uma grande capacidade de absorção e acúmulo de substâncias presentes na atmosfera (por isso, além de bioindicadores, podem ser usados ​​como bioacumuladores, analisando as concentrações de certos poluentes no talo)
  • crescimento lento e grande longevidade, a lentidão do metabolismo permite obter uma estimativa da poluição durante um longo período
  • alta sensibilidade a poluentes, fotossíntese e atividades metabólicas cessam no caso de altas concentrações de poluentes, como dióxido de enxofre, hidrocarbonetos, ozônio, nitrato de paracetila, chumbo, zinco, cádmio e floretos
  • um grau diversificado de tolerância a poluentes, de modo a propor escalas de tolerância com base nas espécies de líquenes encontradas

Quando está presentepoluição do ar, eulíqueneseles veem uma clara redução na fotossíntese e na respiração celular devido aos danos à clorofila. Torna-se difícil detectar no ar (por coleta de amostras) a presença de metais, radionuclídeos, hidrocarbonetos clorados, fluoretos ... e outros poluentes, enquantolíquenespode dar uma imagem precisa da situação através da escala de tolerância específica da espécie e explorando seu uso comobioacumuladores.

Líquenes como bioacumuladores

Esses organismos podem ser explorados para entender a contaminação ambiental por metais, radionuclídeos e compostos xenobióticos como os hidrocarbonetos clorados, amplamente utilizados como solventes. Seislíquenes como bioindicadoreseles são observados (principalmente líquenes epiféticos) no caso de líquenes como bioacumuladores, líquenes recolhidos em áreas não contaminadas são introduzidos para observar, ao longo do tempo, a quantidade de metais e poluentes acumulados no talo. Esta metodologia é mais simples porque não apresenta dificuldades particulares: são utilizadas análises espectrofotométricas clássicas, cromatografia gasosa ou detectores de radioatividade. Metodologias mais acessíveis e fáceis de aplicar.

Líquen no jardim

Líquenes de jardim podem ser muito irritantes, especialmente quando cobrem paredes, estátuas e fontes. Nesse sentido, destaco o guia: como eliminar musgos e líquenes. Até as árvores ornamentais do jardim podem ter problemas devido ao crescimento excessivo de musgos e líquenes, para resolver este problema, remeto para a página: musgos e líquenes no tronco da árvore.



Vídeo: LIQUENES (Julho 2022).


Comentários:

  1. Beore

    Por quê?

  2. Ferar

    Não funciona!

  3. Dar-El-Salam

    Eu acho que você não está certo. Convido você a discutir. Escreva em PM, vamos nos comunicar.

  4. Bamuro

    Tudo é amanteigado.

  5. Zulukazahn

    Muito obrigado pela ajuda nesta pergunta. Eu não sabia.

  6. Fai

    Infelizmente, não posso ajudá -lo, mas tenho certeza de que você encontrará a solução certa.



Escreve uma mensagem